Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Evidências Clínicas

Zinnat é um pró-fármaco oral do antibiótico bactericida cefalosporínico, cefuroxima, indicado para o tratamento de uma ampla gama de infecções adquiridas na comunidade causadas por bactérias susceptíveis, incluindo:1,21

  • Infecções do trato respiratório superior, por exemplo, infecções do nariz e garganta, como otite média, sinusite, amigdalite e faringite
  • Infecções do trato respiratório inferior, por exemplo, pneumonia e bronquite
  • Infecções do trato urinário, por exemplo, pielonefrite e cistite não complicadas
  • Infecções de pele, causadas por S. aureus e S. pyogenes (estreptococos B-hemolíticos do grupo A)
  • Gonorreia não complicada

A susceptibilidade ao Zinnat pode variar dependendo da geografia e tempo, e os dados locais de susceptibilidade devem ser consultados, sempre que disponíveis.1,21

Zinnat possui eficácia clínica e bacteriológica, comprovada em diversos estudos clínicos, para o tratamento de:

Rinossinusite bacteriana aguda (RSBA)2-5

Infecções não complicadas do trato urinário (ITU)6-8

  • A rinossinusite tem um impacto significativo sobre a vida diária do paciente, resultando em sintomas incômodos, dificuldade para realizar atividades comuns e tempo ausente do trabalho.9,10

     

    Uma vez que a RSBA seja diagnosticada, o manejo dos sintomas pode ser feito com analgésicos e antipiréticos, além da prescrição de antibióticos. Irrigação intranasal com solução salina e corticosteroide intranasal também podem ser recomendados como tratamentos adjuvantes. O tratamento imediato com antibióticos pode ajudar a:9

     

    • Reduzir a duração da doença
    • Fornecer alívio sintomático precoce
    • Restaurar a qualidade de vida
    • Prevenir recorrência ou complicações

     

    Por que utilizar Zinnat para tratamento da RSBA?

     

    Zinnat possui eficácia clínica e bacteriológica contra os principais patógenos causadores de RSBA (Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis)3 demonstrada em estudos clínicos e in vitro.1-5*

     

    Zinnat penetra no tecido sinusal em concentrações que excedem o CIM90 (concentração inibitória mínima necessária para inibir o crescimento de 90% dos organismos) para os patógenos mais comumente associados com sinusite aguda, incluindo S. pneumoniae e H. influenzae.11*

     

    *Existe uma variabilidade considerável nos padrões de susceptibilidade a Zinnat. Esses irão variar com o tempo e geografia; sempre consulte os dados locais de susceptibilidade antes de fazer a prescrição.

     

    Zinnat demonstrou ter eficácia comparável a moxifloxacino4

     

    Um estudo clínico prospectivo, multicêntrico, randomizado, duplo-cego, foi realizado para comparar a eficácia e segurança de moxifloxacino com a de axetilcefuroxima para o tratamento de sinusite aguda adquirida na comunidade. 542 pacientes adultos com sintomas e evidências radiográficas de sinusite maxilar aguda receberam um regime oral de 10 dias de moxifloxacino (400 mg uma vez ao dia) ou axetilcefuroxima (250 mg duas vezes ao dia).

    A partir da referência 4.                                                     

     

    Zinnat demonstrou eficácia clínica e erradicação bacteriológica comparável a ciprofloxacino5

     

    Em um estudo clínico prospectivo, multicêntrico, randomizado, duplo-cego, realizado para comparar a eficácia e segurança de ciprofloxacino com a de axetilcefuroxima para o tratamento de sinusite aguda adquirida na comunidade, 501 pacientes adultos com sintomas e evidências radiográficas de sinusite maxilar aguda receberam um regime oral de 10 dias de ciprofloxacino (500 mg duas vezes ao dia) ou axetilcefuroxima (250 mg duas vezes ao dia).

     

    A partir da referência 5.          

                                              

    Zinnat demonstrou ter resposta clínica equivalente à claritromicina2

     

    Um estudo clínico randomizado, duplo-cego, multicêntrico foi realizado para comparar a eficácia e segurança de axetilcefuroxima 250 mg duas vezes ao dia (n=185) e claritromicina 250 mg duas vezes ao dia (n=185), ambos administrados por 10 dias, no tratamento de pacientes com sinusite aguda. A eficácia foi determinada pela avaliação da resposta clínica no pós-tratamento e no acompanhamento, e pela avaliação radiológica no pré-tratamento e no acompanhamento.

     

    A partir da referência 2.                  

  • TUs são muito comuns – 1 em cada 3 mulheres já tiveram uma ITU diagnosticada e tratada até os 24 anos de idade, e quase metade das mulheres serão afetadas ao longo de suas vidas.12,13

     

    As diretrizes de práticas clínicas internacionais afirmam que o espectro microbiológico das ITUs não complicadas consiste principalmente de Escherichia coli (75-95%) e, ocasionalmente, outras espécies de Enterobacteriaceae (como Proteus mirabilis e Klebsiella pneumoniae) e Staphylococcus saprophyticus.14

     

    Por que Zinnat para tratamento da ITU não complicada?

     

    - Nos estudos de vigilância,* Zinnat permanece ativo contra a maioria dos isolados urinários, incluindo E. coli, K. pneumoniae e P. mirabilis.15-19

     

    - Eficácia clínica e bacteriológica estabelecida no tratamento de ITU não complicada em estudos clínicos.6-8

     

    Perfil de resistência de diversos isolados de patógenos+ urinários a antibióticos, em estudo multicêntrico nacional espanhol (junho de 2008 a março de 2009).15*

     

    A partir da referência 15.                                                    

     

    Foram coletados da urina de indivíduos do sexo feminino (com idade de 9 meses a 108 anos), com ITU não complicada em 89 centros espanhóis, 2152 isolados de enterobactérias.15

     

    +E. coli (81,8%), K. pneumoniae (7,9%), P. mirabilis (5,2%) e outros (5,1%).

     

    *Existe uma variabilidade considerável nos padrões de susceptibilidade a cefuroxima. Esses irão variar com o tempo e geografia; sempre consulte os dados locais de susceptibilidade antes de fazer a prescrição.

     

    Em um estudo transversal conduzido no Hospital Universitário da USP (SP, Brasil), de janeiro a dezembro de 2010, 223 cepas de E. coli, isoladas de pacientes menores de 15 anos que apresentavam ITU, tiveram testados seu perfil de sensibilidade a diversos antimicrobianos.20

     

    E. coli demonstrou 100% de sensibilidade frente a Zinnat.20

    A partir da referência 20. 

  • REAÇÕES ADVERSAS: cefaleia, vertigem, distúrbio gastrintestinal e rash cutâneo.

     

    ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: atenção aos casos prévios de hipersensibilidade às cefalosporinas, penicilinas e outros betalactâmicos. A utilização prolongada pode resultar no crescimento de micro-organismos não sensíveis (como Enterococci e Clostridium difficile).

     

    INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: como ocorre com outros antibióticos, Zinnat pode afetar a flora intestinal, levando à menor reabsorção de estrógenos, e assim reduzir a eficácia dos contraceptivos orais combinados.

     

    CONTRAINDICAÇÕES: Zinnat é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade conhecida aos antibióticos do grupo das cefalosporinas.1,21

     

    Acesse a bula de Zinnat Comprimidos aqui

    Acesse a bula de Zinnat Pó para Suspensão Oral aqui

  • 1. ZINNAT Comprimidos (axetilcefuroxima). Bula do produto.

    2. STEFANSSON, P. et al. Cefuroxime axetil versus clarithromycin in the treatment of acute maxillary sinusitis. Rhinology, 36(4): 173-78, 1998.

    3. HENRY, DC. et al. Comparison of cefuroxime axetil and amoxicillin/clavulanate in the treatment of acute bacterial sinusitis. Clin Ther, 21(7): 1158-70, 1999.

    4. BURKE, T. et al. Comparison of moxifloxacin and cefuroxime axetil in the treatment of maxillary sinusitis. Sinusitis Infection Study Group. Clin Ther, 21(10): 1664-77, 1999.

    5. JOHNSON, PA. et al. Ciprofloxacin versus cefuroxime axetil in the treatment of acute bacterial sinusitis. J Otolaryngol, 28(1): 3-12, 1999.

    6. COX, CE. et al. Evaluation of cefuroxime axetil, cefaclor, and cephalexin in the treatment of urinary tract infections in adults. Curr Ther Res, 42(1): 124-37, 1987.

    7. COOPER, J. et al. Comparative efficacy and tolerability of cephradine and cefuroxime axetil in the treatment of acute dysuria and/or frequency in general practice. Br J Clin Pract, 46(1): 24-7, 1992.

    8. NABER, KG. et al. Cefuroxime axetil versus ofloxacin for short-term therapy of acute uncomplicated lower urinary tract infections in women. Infection, 21(1): 34-9, 1993.

    9. CHOW, AW. et al. IDSA clinical practice guideline for acute bacterial rhinosinusitis in children and adults. Clin Infect Dis, 54(8): e72-e112, 2012.

    10. GARBUTT, JM. et al. Amoxicillin for acute rhinosinusitis. A randomized controlled trial. JAMA, 307(7): 685-92, 2012.

    11. PAKES, GE. et al. Cefuroxime axetil in the treatment of sinusitis: a review. Arch Fam Med, 3(2): 165-75, 1994.

    12. DASON, S. et al. Guidelines for the diagnosis and management of recurrent urinary tract infection in women. Canadian Urological Association Guidelines. Can Urol Assoc J, 5(5): 316-22, 2011.

    13. FOXMAN, B. Epidemiology of urinary tract infections: incidence, morbidity, and economic costs. Dis Mon, 49(2): 53-70, 2003.

    14. GUPTA, K. et al. International clinical practice guidelines for the treatment of acute uncomplicated cystitisand pyelonephritis in women: a 2010 update by the Infectious Diseases Society of America and the European Society for Microbiology and Infectious Diseases. Clin Infect Dis, 52(5): e103-e120, 2011.

    15. CUEVAS, O. et al. Comparative in vitro activity of cefditopren and other antimicrobials against Enterobacteriaceae causing community acquired uncomplicated urinary tract infections in women: a Spanish nationwide multicentre study. Diag Microbiol Infect Dis, 67(3): 251-60, 2010.

    16. SCHITO, GC. et al. The ARESC study: an international survey on the antimicrobial resistance of pathogens involved in uncomplicated urinary tract infections. Int J Antimicrob Agents, 34(5): 407-13, 2009.

    17. KRESKEN, M. et al. Ocurrence of multidrug resistance to oral antibiotics among Escherichia coli urine isolates from outpatient departments in Germany: extended-spectrum b-lactamases and the role of fosfomycin. Int J Antimicrob Agents, 44(4): 295-300, 2014.

    18. BITSORI, M. et al. Long-term resistance trends of uropathogens and association with antimicrobial prophylaxis. Pediatr Nephrol, 29(6): 1053-58, 2014.

    19. KATSAROLIS, I. et al. Acute uncomplicated cystitis: from surveillance data to a rationale for empirical treatment. Int J Antimicob Agents, 35(1): 62-7, 2010.

    20. LO, DS. et al. Infecção urinária comunitária: etiologia segundo idade e sexo. J Bras Nefrol, 35(2): 93-8, 2013.

    21. ZINNAT Pó para Suspensão Oral (axetilcefuroxima). Bula do produto.