Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Introdução

A infecção do trato urinário (ITU) é definida pela presença de bactérias na urina, tendo como mínimo definido para o diagnóstico a existência de 100.000 unidades formadoras de colônias bacterianas por mililitro de urina (ufc/mL). É uma das causas mais comuns de infecção na população geral, mas ocorrendo mais frequentemente ocorre em crianças. Estima-se que 8% das meninas e 2% dos meninos apresentarão, pelo menos, um episódio de ITU até os 7 anos de idade, havendo recorrência dentro de um ano em 12-30% desses casos1,2.

Os casos pediátricos podem se apresentar de forma variada e inespecífica. As crianças menores podem apresentar sepse, febre ou mesmo outros sintomas, enquanto que as maiores podem se queixar de disúria, aumento da frequência urinária e dor lombar. Essa diversidade dificulta a detecção e o diagnóstico a ITU, resultando algumas vezes em danos renais e até perda da função deste órgão1.

A maioria das infecções urinárias é causada por bactérias Gram-negativas, dentre as quais a Escherichia coli é a mais comum, sendo responsável por mais de 75% dos casos. Outros patógenos que podem estar envolvidos são: Proteus, Klebsiella, Enterobacter, Citrobacter, Enterococcus e Staphylococcus saprophyticus. Também existem casos de ITU de origem fúngica, provocada, por exemplo, por Candida albicans, casos esses que geralmente coincidem com quadros de uso recente de antibióticos, cateterismo urinário ou imunossupressão1.

O diagnóstico de ITU é feito pela combinação de avaliação clínica ao exame de cultura de urina1, e o tratamento varia conforme a infecção em si, considerando quadro clínico, agente infeccioso e paciente. Entretanto, para qualquer situação, a estratégia mais indicada é que a terapêutica maximize o benefício do tratamento e reduza custos, incidência de eventos adversos e surgimento de micro-organismos resistentes2.

Cefuroxima no tratamento de infecções urinárias

A axetilcefuroxima é uma cefalosporina de segunda geração rapidamente hidrolisada em seu componente ativo, cefuroxima. Ela apresenta boa atividade e amplo espectro de ação para o tratamento de diversas infecções, incluindo ação comprovada no tratamento de infecções do trato urinário em adultos e crianças na ausência de complicações urológicas3-6.

A cefuroxima age sobre um grande número de microrganismos Gram-positivos e Gram-negativos
por meio da inibição da síntese da parede celular, devido à sua ligação a proteínas-alvo
5; também está associada à baixa incidência de eventos adversos, que, quando presentes, há predominância os distúrbios gastrointestinais3.

Existem estudos de diferentes regiões do mundo que identificaram a resistência antimicrobiana de agentes causadores de ITUs aos medicamentos utilizados nesses cenários.7-9

Um estudo chileno, pela avaliação de 11 hospitais do país, identificou que, nas amostras analisadas, a E. coli era a bactéria mais frequente, isolada em 74% dos casos. Do perfil detectado da E. coli, pode-se destacar, dentre outros, a resistência à ampicilina (65% dos casos), ao sulfametoxazol-trimetoprima – SMZ-TMP (43%) e à ceftriaxona (19%). Para a cefuroxima, a E. coli apresentou resistência em apenas 2,5% dos casos7.

Outro estudo, realizado em Israel, comparou os micro-organismos causadores de ITUs detectados em crianças no ano de 1991 com aqueles encontrados em 1999. Em ambos os grupos, a E. coli foi o agente mais frequente, existindo em 86% e 82% dos casos, respectivamente. Com relação à resistência aos antibióticos, em 1999 a E. coli se apresentou resistente à ampicilina (70%), cefalexina (37%), SMZ-TMP (31%), dentre outros. Em apenas 5% dos casos foi verifi cada a resistência à cefuroxima8.

Em um estudo brasileiro, de Guidoni et al., foi observada a presença de E. coli em 77% das amostras de urina de crianças com ITU. Este estudo detectou também a alta prevalência de resistência dessa bactéria contra ampicilina e SMZ-TMP, enquanto que, para a cefuroxima, a resistência foi de apenas 7%9. Os resultados de resistência antimicrobiana podem ser observados no gráfico 1.

Em resumo, pode-se apontar que: (1) a cefuroxima tem eficácia comprovada para o tratamento
de ITU em adultos e crianças; (2) apresenta um bom perfil de tolerabilidade, sendo que a maior
parte dos eventos adversos relatados foram de grau leve a moderado, envolvendo, em sua maioria, distúrbios gastrointestinais que cessam após a suspensão do tratamento; e (3) mesmo cepas de E. coli resistentes a demais medicamentos apresentaram suscetibilidade à cefuroxima em até 93%
8,10.

Posologia

Zinnat® (axetilcefuroxima) é apresentado em duas formas: (i) comprimidos revestidos contendo 250 mg ou 500 mg de cefuroxima; e (ii) pó para suspensão oral (frasco ou sachê). A dose usual recomendada é de 250 mg, 2 vezes ao dia. Em caso de necessidade de dose menor que 250 mg ou dificuldade de deglutição, recomenda-se a prescrição de Zinnat® pó para suspensão oral. A terapia usual é de sete dias, podendo variar de cinco a 10 dias. A Tabela 1 apresenta a posologia usual de Zinnat® para tratamento de infecções urinárias11.

 

REAÇÕES ADVERSAS: cefaleia, vertigem, distúrbio gastrintestinal e rash cutâneo11.
ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: atenção aos casos prévios de hipersensibilidade às cefalosporinas, penicilinas e outros betalactâmicos. A utilização prolongada pode resultar no crescimento de micro-organismos não sensíveis (como Enterococci e Clostridium difficile)
11.

  • 1. DESAI, DJ. et al. Paediatric urinary tract infections: Diagnosis and treatment. Aust Fam Physician;45(8):558-63, 2016.
    2. RORIZ-FILHO, JS. et al. Infecção do trato urinário. Medicina (Ribeirão Preto);43(2): 118-25, 2010.
    3. BRUMFITT, W. et al. Comparative Trial of Cefuroxime Axetil in Recurrent Urinary Tract Infections Illustrating Importance of 6-Week
    Follow-Up. Antimicrob Agents Chemother;31(9):1442-1443, 1987.
    4. PERRY, CM. et al. Cefuroxime axetil: a review of its antibacterial activity, pharmacokinetic properties and therapeutic efficacy.
    Drugs;52(1):125-58, 1996.
    5. ZINNAT® comprimidos (axetilcefuroxima). Bula do produto.
    6. KORNBERG, AE. et al. Two-day therapy with cefuroxime axetil is effective for urinary tract infections in children. Am J Nephrol, 14(3):
    169-72, 1994. Karger, 2017. Abstract. Disponível em: <https://www.karger.com/Article/PDF/168709>. Acesso em: 15 mar. 2017.
    7. VALDIVIESO, F. et al. Resistencia a los antimicrobianos en agentes causantes de infección del tracto urinario en 11 hospitales
    chilenos. Proyecto PRONARES. Rev Med Chile;127:1033-1040, 1999.
    8. PRAIS, D. et al. Bacterial susceptibility to oral antibiotics in community acquired urinary tract infection. Arch Dis Child;88:215–218,
    2003.
    9. GUIDONI, EBM. et al. Antibiotic Resistance Patterns of Pediatric Community-Acquired Urinary Infections. Braz J Infect Dis;12(4):321-
    323, 2008.
    10. SCOTT, LJ. et al. Cefuroxime Axetil: An Updated Review of its Use in the Management of Bacterial Infections. Drugs;61(10):1455-1500,
    2001.
    11. ZINNAT® pó para suspensão oral (axetilcefuroxima). Bula do produto.

  • Material de distribuição exclusiva para profissionais de saúde habilitados a prescrever ou dispensar medicamentos. Recomenda-se a leitura da bula e da monografia do produto antes da prescrição de qualquer medicamento. Para notificar eventos adversos ocorridos durante o uso de medicamentos da GlaxoSmithKline/Stiefel, entre em contato diretamente com o Departamento de Farmacovigilância da empresa pelo e-mail farmacovigilancia@gsk.com ou através do representante do Grupo de Empresas GSK. A bula completa do medicamento e outras informações estão à disposição, sob solicitação ao Departamento de Informações Médicas (DDG 0800 701 2233 ou medinfo@gsk.com).