Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Adicionar Benlysta® à terapia padrão reduziu o risco de flares graves em 40-60%

 

% de pacientes com ≥1 flares graves durante 52 semanas¹

   

Redução de 62% de risco relativo do primeiro flare grave

Nos ensaios BLISS-52 e BLISS-76, a adição de BENLYSTA® à terapia padrão em pacientes com alta atividade da doença (por exemplo, anti-dsDNA positivo e baixo complemento) proporcionou benefícios significativos em relação ao placebo + terapia padrão em 52 semanas: redução de 39% de risco relativo do primeiro flare grave.

Um flare grave pode ser caracterizado como um dos seguintes:3*

  • Hospitalização por atividade do LES
  • Nova ou piora da atividade de: (exigindo duplicação da prednisona ou aumento da prednisona para> 0,5 mg / kg / dia ou hospitalização) para: LES com envolvimento do Sistema Nervoso Central, ou
  • Vasculite, ou
  • Nefrite, ou
  • Miosite, ou
  • Plaquetas <60.000, ou
  • Anemia hemolítica (Hb <7 g / dL ou diminuição da Hb> 3 g / dL), ou
  • Aumento da dose de prednisona para> 0,5 mg / kg / dia, ou
  • Novo imunossupressor, ou
  • Aumento na pontuação do PGA para> 2,5, ou
  • Alteração de SELENA-SLEDAI para >12 acompanhada de pelo menos um dos itens acima.

* População com alta atividade da doença. Alta atividade da doença definida como anti-dsDNA positivo (≥30 UI / mL) e baixo complemento C3 e/ou C4.

Inclui pacientes com e sem alta atividade da doença.

19,0% dos pacientes em tratamento com BENLYSTA® + terapia padrão (n = 305) vs 29,6% dos pacientes em uso de placebo + terapia padrão (n = 287) tiveram um flare grave ao longo de 52 semanas, FC (IC 95%) = 0,61 (0,44, 0,85 ); p = 0,004.

          

  • Referências

    1.  BENLYSTA® (belimumabe). Bula do produto.

    2.  ZHANG, F. et al. A pivotal phase III, randomised, placebo- controlled study of belimumab in patients with systemic lupus erythematosus located in China, Japan and South Korea. Ann Rheum Dis, 77(3): 355-63, 2018.

    3.  PETRI, M. et al. Combined oral contraceptives in women with systemic lupus erythematosus. N Engl J Med, 353(24): 2550-8, 2005.