Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

  

INITIAL CLINICAL IMPRESSIONS OF THE CRITICAL CARE OF COVID-19 PATIENTS IN SEATTLE, NEW YORK CITY, AND CHICAGO.


Resumo

Neste artigo, os autores descrevem as impressões clínicas iniciais em relação a pacientes que necessitaram de terapia intensiva em decorrência da COVID-19, em três grandes cidades dos Estados Unidos. Estas impressões são descritas em relação à apresentação clínica dos pacientes, análises laboratoriais, estratégias de tratamento e mobilização de recursos. Entre os achados, podemos destacar:

  • A apresentação clínica dos pacientes americanos foi menos típica do que a síndrome gripal aguda clássica previamente descrita na China e Itália.
  • Embora a maioria dos pacientes fosse maior de 60 anos de idade com comorbidades, foi observada uma proporção importante de casos graves envolvendo pacientes mais jovens.
  • A evolução para insuficiência respiratória grave tende a ocorrer de forma rápida, aproximadamente 1 semana após o início dos sintomas da COVID-19. Nessa fase, a contagem de neutrófilos não se mostrou elevada na maioria dos casos e a linfopenia foi comum.
  • Dados de radiologia do tórax demonstram que opacidades irregulares são frequentes, mesmo em pacientes em uso de esteroides, e o acometimento é quase sempre bilateral. A gravidade das lesões se correlaciona com a gravidade da doença. Efusões pleurais são incomuns.
  • Podem ocorrer pequenos aumentos de transaminases e marcadores inflamatórios, lesão renal aguda leve, com pequeno aumento de creatinina, além de miocardite, devido à inflamação grave.

Em conclusão, os autores reiteram que, apesar de serem apenas impressões clínicas iniciais e observações empíricas, são de extrema valia na tentativa de gerenciar melhor os recursos locais de terapia intensiva diante do crescimento dos casos de COVID-19.

  • Referências

    1.   SOMMER, P .et al. Initial Clinical Impressions Of The Critical Care Of Covid-19 Patients In Seattle, New York City, And Chicago.  Anesth Analg. 2020 Mar 25. doi: 10.1213/ANE.0000000000004830

RESPIRATORY VIRUS SHEDDING IN EXHALED BREATH AND EFFICACY OF FACE MASKS.


Resumo

Neste estudo, os autores avaliaram a eficácia da máscara cirúrgica em prevenir a dispersão de fômites e aerossóis em adultos e crianças com infecção respiratória por influenza, rinovírus e coronavírus.

  • 246 indivíduos forneceram amostras de ar exalado.124 foram randomizados para usar máscara cirúrgica durante a coleta das amostras e 122 para não usar.
  • Entre os 246 indivíduos selecionados, 123 apresentavam infecções por pelo menos um vírus respiratório. A análise concentrou-se naqueles infectados por coronavírus (n=17), vírus influenza (n=43) e rinovírus (n=54), os quais representavam 90% dos casos. As infecções foram confirmadas por RT-PCR.
  • Os pacientes com coronavírus foram os que apresentaram mais tosse durante a coleta das amostras.
  • Máscaras cirúrgicas demonstraram eficácia em reduzir a emissão de coronavírus tanto por fômites quanto por aerossóis. Também mostraram-se eficazes na diminuição da emissão do vírus influenza através de perdigotos.

O estudo sugere que o uso da máscara cirúrgica pode prevenir a transmissão de coronavírus humano e vírus influenza por pacientes sintomáticos.

  • Referências

    1.  LEUNG, N.H.L .et al. Respiratory Virus Shedding In Exhaled Breath And Efficacy Of Face Masks Nat Med (2020). 2020 APR 03; doi.org/10.1038/s41591-020-0843-2

Para ter acesso ao artigo na íntegra, acesse:
https://www.nature.com/articles/s41591-020-0843-2.pdf