Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

    

Webshop

    

Receba amostras dos medicamentos da GSK
e recursos para pacientes em seu consultório.

    

teste

                   

Flixotide

Potência e segurança podem andar juntas!

Flixotide (propionato de fluticasona):
Perfil de segurança estabelecido com menores chances de efeito sistêmico vs budesonida e beclometasona.
 

Gráfico 1: Afinidade de ligação pelo receptor

Gráfico 1

Gráfico 2: Supressão de cortisol entre corticoides inalatórios

Gráfico 2

    

Icon

Maior afinidade de ligação ao receptor do que a budesonida, levando a maior potência.1*

    

Icon

Alto índice terapêutico e baixa biodisponibilidade, que contribuem para a eficácia e perfil
de segurança bem tolerado.1*

    

O remodelamento das vias aéreas está presente mesmo
em pacientes com Asma leve3

Gráfico 3

    

Seta

Trinta e quatro pacientes com Asma estável (idade média  ±DP: 26.5 ±9.2 anos) tratados apenas com β2-agonistas inalados e oito voluntários saudáveis ​​foram recrutados para o estudo. Espessura subepitelial foi usada como uma medida de remodelamento das vias aéreas.

(DP) Desvio padrão.

    


Valores médios e individuais da espessura da camada subepitelial em pacientes com Asma grave,
moderada, leve e indivíduos saudáveis, indica p <0,001, indivíduos saudáveis ​​vs. todos os pacientes asmáticos.

Resultados adaptados da referência 3.
 Este gráfico foi criado de forma independente pela GSK a partir do original.

    

Flixotide vs Budesonida

    

Flixotide em comparação em Budesonida demonstrou:

 

 

 

Melhora no controle da Asma4,5

Superioridade no ganho da função pulmonar4*

Melhora no pico do fluxo expiratório4,5*

 

 

 

*Resultados obtidos em crianças.

    

                   

Zinnat

                   

                   

Zinnat é indicado para ITR há mais de 30 anos.
Um tratamento de referência desde a infância até a terceira idade.6

                   

Seta

Zinnat, é indicado por guidelines nacionais e internacionais para o tratamento de OMA, RSBA e faringotonsilites bacterianas, em adultos e crianças!6-8

                   

Seta

A ABORL-CFF indica Zinnat para o tratamento de pacientes com RSBA, por ter menos efeitos adversos que as fluoroquinolonas.6

                   

Seta

Zinnat mostrou ter um espectro de ação adequado contra os principais patógenos de ITRS, incluindo S. pneumoniae, H. influenzae

e S. pyogenes.9-11

                   

                   

                   

                   

Assista ao vídeo abaixo e saiba mais sobre o Zinnat

Zinnat tratamento de referência para ITR há mais de 30 anos. Um tratamento desde a infância até a terceira idade.6
 

Video player requires JavaScript enabled. You can download this video here: https://videos.gskstatic.com/pharma/GSKpro/Brazil/MP4/2020-11-06-video-antibioticos-o-legado-de-zinnat.mp4


ITR:
Infecções do Trato Respiratório.
OMA:
Otite Média Aguda.
ABORL-CFF:
Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial.
RSBA: 
Rinossinusite Bacteriana Aguda.

                   

                   

Flutivate

                   

Flutivate - Recomendações

                   

Flutivate: corticoide tópico potente especialmente desenvolvido 
para eficácia e tolerabilidade.14-16

                   

Indicado para o tratamento de dermatoses suscetíveis a corticosteróides tópicos:14
dermatite atópica, dermatite de contato, dermatite seborréica e adequado para áreas sensíveis.14,23

                   


Segurança:

Índice de eventos comparável a HC 1% e ao placebo.22



Mesmo índice terapêutico
que a mometasona e metilprednisolona, porém o único com terapia de manutenção da DA em bula.14,17,20,21


Terapia de manutenção com Flutivate duas vezes por semana mais emoliente diariamente reduz o risco de recidiva em pacientes com DA recorrente.18,19

                   

Flutivate demonstra tolerabilidade comparável à hidrocortisona 1% na dermatite atópica.22

                   

Gráfico Flutivate

                   

Flutivate possui alto índice terapêutico24

O índice terapêutico avalia o efeito terapêutico de uma droga (efeitos desejados) em relação ao seu potencial para induzir efeitos indesejáveis. Um corticoide tópico com alto índice terapêutico combina alta eficácia com baixa incidência de efeitos adversos locais e sistêmicos.24

  IT
Vasoconstrição Eficácia* Atrofia da pele Supressão
do eixo HPA
Potencial
Alergênico
Valerato de betametasona 1,2 8 10 12 2 1
Propionato de clobetasol 1,5 12 15 12 4 1
Hidrocortisona 1,0 4 5 6 2 1
Butirato de hidrocortisona 1,4 4 10 6 2 2
Furoato de mometasona 2,0 8 10 6 2 1
Aceponato
de metilprednisolona
2,0 8 10 6 2 1
Flutivate
(propionato de fluticasona)
2,0 8 10 6 2 1

                   

HPA: Hipotálamo-Pituitária-Adrenal;
IT: Índice Terapêutico;
*Para dermatite atópica vs outros corticoides.24

                   

Notas de rodapé

Detalhes do estudo: O tempo médio para a primeira recidiva foi de 142,0 dias (IC 95% 50-150) para emoliente isolado (n=53), mas não foi obtido para Flutivate + emoliente (n=54); RR 13,5 (IC 95% 4,1-44,3); p<0,0001. *ARR: 56,6% emoliente (n=30) vs. 5,6% Flutivate + emoliente (n=3)14; *ARR 72% veículo (n=28) vs 26% propionato de fluticasona (n=16).15

ANeste estudo aberto e randomizado, 123 pacientes (com idades entre 1-17 anos) com dermatite atópica leve a moderada foram tratados com Flutivate creme 0,05% duas vezes ao dia durante 4 semanas (fase aguda). Pacientes que obtiveram sucesso do tratamento foram inscritos na fase de manutenção e foram randomizados 1:1 para receber Flutivate creme 0,05% uma vez ao dia, duas vezes por semana juntamente com um emoliente duas vezes ao dia (Grupo A) ou apenas o emoliente (Grupo B) por até 20 semanas. O desfecho primário foi o tempo até a primeira recidiva, que foi definida como uma exacerbação da dermatite atópica, que resultou em uma diferença de ≥2 pontos na pontuação da Avaliação Estática Global do Médico (PSGA) em comparação com a pontuação do PSGA do sucesso do tratamento de um paciente. A segurança foi avaliada durante todo o estudo. Flutivate foi bem tolerado em geral e a incidência de eventos adversos foi equilibrada entre os grupos de tratamento.14

ARR: taxa de resposta absoluta.

                   

                   

Bactroban

                   

                   

Bactroban: aplique cuidado confiável.
Aprovado em >90 países e recomendado por diretrizes internacionais.26-38

                   

Escabiose Infectada

Escabiose Infectada


Talvez você tenha notado os sinais:

  • Pápulas com coceira intensa, principalmente à noite, que podem atrapalhar o sono.26,27
  • As lesões podem aparecer em qualquer lugar, mas são comumente localizadas entre os dedos, pele flexural do pulso e dobras cutâneas.26,28
  • A escabiose crostosa pode ser localizada ou extensa e pode estar localizada no couro cabeludo.26
  • Linhas brancas serpiginosas que se formam onde o ácaro escavou a pele.28
  • Áreas de escavação podem ser infectadas secundariamente por bacténas.28
  • A infecção secundária está associada ao pus ou crosta melicéricas.
                   
                   
                   
                   

Picada de inseto infectado
(por exemplo, pulga ou mosquito)

Picada de inseto


Pápulas pruriginosas na área do corpo que foi exposta ao inseto, associadas a eritema contínuo ou seu agravamento, dor ou febre e inflamação e endema localizados. Além disso, para ajudar no diagnóstico, as picadas de pulgas são normalmente encontradas abaixo dos joelhos.26,30

                   

Impetigo

Impetigo


Vesículas ou pústulas de paredes finas que secretam exsudato antes de formar urna crosta melicérica; ocorre mais comumente na face, membros e flexuras.26,34

                   

Foliculite

Foliculite


Infecção superficial restrita aos folículos pilosos, que pode evoluir para pequenas pápulas ou pústulas inflamatórias.26,31

                   

Dermatite de contato

Dermatite de contato


A dermatite se apresenta como áreas de pele seca, pruriginosa e eritematosa. A dermatite atópica frequentemente se apresenta na infância e em pacientes com histórico familiar de atopia enquanto a dermatite de contato ocorre após a exposição a um irritante ou alérgeno.26,32,33

                   

                   

Bactroban (mupirocina) 2% pomada
para escabiose infectada

É eficaz e bem tolerada em infecções secundárias da pele vs antibióticos tópicos (ácido fusídico) e antibióticos orais (eritromicina e cefalexina).25,35-38 Consulte a bula para uma lista completa dos efeitos adversos.*35
*Os eventos adversos comuns incluem sensação de queimação na área da aplicação.

Produto Bactroban

                   

                   

Gráfico Bactroban
Gráfico Bactroban

                   

Bactroban: aplique o cuidado confiável
para as infecções cutâneas primárias e secundárias.26

                   

Check

Risco mínimo de
resistência cruzada.26,27
Redução de 90% na masssa do biofilme de S.aureaus.28p

Check

Aprovada em >90 países**
e recomendada por diretrizes internacionais.30-41

Check

Eficácia superior vs Ácido fusídico* para infecções cutâneas comuns, incluindo impetigo.42A

                   

                   

Notas de rodapé

*Ácido fusídico apresentação pomada.

PA Coleção Americana de Cultura de S. aureus25923 e 12 isolados clínicos foram investigados quanto a sua capacidade de formar biofilmes em um cenário in vitro usando um ensaio em placa de microtitulação com cristal violeta (CV) e microscopia confocal de varredura a laser (CLSM, na sigla em inglês). Testes de susceptibilidade antimicrobiana foram realizados para determinar as concentrações inibitórias mínimas em cepas planctônicas e formadoras de biofilme. Além disso, biofilmes estabalecidos foram submetidos aos agentes microbianos em uma série de diluição dupla. Uma análise CV da massa do biofilme foi realizada após 1 e 24 horas de tratamento e a CIM50 e CIM90 do biofilme foram registradas. As cepas clínicas foram todas isoladas recentemente das passagens nasais dos pacientes diagnosticados com rinossinusite crônica de diferentes centros de tratamento terciários na Austrália Meridional e foram fornecidas pelo Instituto de Ciência Médica e Veterinária (Austrália Meridional).28

ADados de um estudo clínico cego, observador, multicêntrico com 413 pacientes da clínica geral com infecções superficiais da pele randomizados para receber Bactroban pomada (n=275) duas vezes ao dia ou fusidato de sódio (n=138) três vezes ao dia por um período de 7 dias. Um resultado clínico bem-sucedido foi avaliado pelo número de pacientes com melhora ou cura das lesões. Um resultado bacteriológico bem-sucedido foi avaliado pela redução no número de organismos encontrados antes do tratamento (Bactroban pomada n=130; fusidato de sódio pomada n=56) e o número de pacientes dos quais os patógenos foram aparentemente eliminados (96% [125 de 130] para Bactroban pomada e 88% [49 de 56] para fusidato de sódio pomada). Antes do tratamento, 323 cepas foram isoladas de 261 pacientes; 43 não puderam ser avaliados bacteriologicamente após o tratamento.42

BDados de um subgrupo de pacientes com impetigo, estes representam aproximadamente 40% da coorte total de pacientes.42

CIM50: Concentração inibitória mínima a 50%;
CIM90: Concentração inibitória mínima a 90%;
CLSM: Confocal laser scanning microscopy.

**Lista de países onde Bactroban (mupirocina) é comercializado:

Argentina, Armênia, Aruba, Austrália. Áustria, Azerbaijão, Bahrein, Bielorrússia, Bélgica, Botswana, Brasil, Bulgária, Chile, Colômbia, Costa Rica, Croácia, Curação, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, República Dominicana, Equador, Egito, El Salvador, Etiópia, Finlândia, França, Gâmbia, Geórgia, Alemanha, Grécia, Guatemala, Guiana, Hong Kong, Hungria, Islândia, Índia, Indonésia, Irlanda, Israel, Itália, Jamaica, Japão, Quênia, Líbano, Luxemburgo, Malaui, Malásia, Maldivas, Malta, Maurício, México, Namíbia, Holanda, Nova Zelândia, Nicarágua, Nigéria, Macedônia do Norte, Omã, Paquistão, Palestina, Filipinas, Polônia, Portugal, Catar, Federação Russa, Arábia Saudita, Sérvia, Cingapura, Eslováquia, África do Sul, Espanha, Sri Lanka, Suriname, Suécia, Suíça, Tanzânia, Tailândia, Trinidad e Tobago, Turquia, Uganda, Ucrânia, Árabes Unidos, Emirados, Reino Unido, Estados Unidos, Uruguai, Uzbequistão, Venezuela, Vietnã e Zâmbia.  

                   

                   

Clavulin

    

                   

Assista aos vídeos e saiba mais sobre o estudo SOAR.

O SOAR (Survey of Antibiotic Resistance) é um estudo de vigilância epidemiológica de infecções respiratórias de comunidade liderado pela GSK há 18 anos em mais de 35 países.

                   

Aprenda como o estudo SOAR pode ser aplicado para orientar suas decisões de tratamento.43

Assista ao vídeo abaixo e veja como
o SOAR é realizado.

Video player requires JavaScript enabled. You can download this video here: http://videos.gskstatic.com/pharma/GSKpro/Brazil/MP4/2021-02-16-video-ped-como-o-estudo-soar-e-realizado.mp4

                   

                   

Clavulin é o antibiótico referência com qualidade comprovada há 40 anos44-47

Vantagens de aderir às diretrizes da prática clínica

Antibióticos como Clavulin (amoxicilina + ácido clavulânico) são medicamentos essenciais para o tratamento de infecções do trato respiratório adquiridas na comunidade (AC-ITRs).48,49

Ao usar as diretrizes de tratamento para orientar o tratamento com antibióticos para AC-ITRs, os prescritores não apenas garantem que estão usando os antibióticos de maneira adequada, mas também demonstra que o cumprimento das diretrizes ao tratar AC-ITRs reduz a morbidade e mortalidade,50-54 promovem uma recuperação mais rápida53 e reduzem os custos de saúde.50,54

                   

                   

Amoxil
Promoção de Amoxil através do programa Viver Mais.

                   

                   

Para acessar a bula de Flixotide Diskus, clique aqui.
Para acessar a bula de Flixotide Spray, clique aqui.
Para acessar a bula de Zinnat Comprimidos, clique aqui.
Para acessar a bula de Zinnat Suspensão Oral, clique aqui.
Para acessar a bula de Flutivate, clique aqui.
Para acessar a bula de Bactroban, clique aqui.
Para acessar a bula de Clavulin ES, clique aqui.
Para acessar a bula de Clavulin BD Suspensão Oral, clique aqui.
Para acessar a bula de Clavulin BD Comprimidos, clique aqui.
Para acessar a bula de Amoxil, clique aqui.

                   

  • Informações de segurança:

    Informações de segurança de Flixotide:

    REAÇÕES ADVERSAS: Comuns: candidíase oral, disfonia, equimose e pneumonia em pacientes com DPOC.
    Raras: angioedema, supressão adrenal e broncoespasmo paradoxal.

    PRECAUÇÕES: recomenda-se a monitorização regular da estatura das crianças sob tratamento prolongado
    com corticosteróides inalatórios.

    CONTRAINDICAÇÕES: Flixotide é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente
    da fórmula. Contém lactose (dispositivo Diskus).

    INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: podem ocorrer quando administrado com potentes inibidores do citocromo P450 (ritonavir e cetoconazol).
     

    Informações de segurança de Zinnat:

    REAÇÕES ADVERSAS:
    Comuns: cefaleia, vertigem, distúrbio gastrointestinal. Incomuns: rash cutâneo. Muito Raras: anemia hemolítica, febre e hepatite.

    ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: atenção aos casos prévios de hipersensibilidade às cefalosporinas, penicilinas e outros betalactâmicos. A utilização prolongada pode resultar no crescimento de micro-organismos não sensíveis (como Enterococcus e Clostridioides difficile).

    INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: como ocorre com outros antibióticos, Zinnat pode afetar a flora intestinal, levando à menor reabsorção de estrógenos, e assim reduzir a eficácia dos contraceptivos orais combinados.

    CONTRAINDICAÇÕES: Zinnat é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade conhecida aos antibióticos do grupo das cefalosporinas.
     

    Informações de segurança de Flutivate:

    PRINCIPAIS REAÇÕES ADVERSAS: prurido, ardor local.

    PRINCIPAIS PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS: Flutivate creme contém o excipiente imiduréia, que libera traços de formaldeído como produto de degradação. O formaldeído pode causar sensibilização alérgica ou irritação, após contato com a pele.

    CONTRAINDICAÇÕES: infecções cutâneas sem tratamento; rosácea e acne vulgar.

    INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: a coadministração de medicamentos que podem inibir o citocromo CYP3A4
    (p. ex. ritonavir e itraconazol) demonstrou a capacidade de inibir o metabolismo dos corticosteróides, levando ao aumento da exposição sistêmica.

    Informações de segurança de Bactroban:

    PRINCIPAIS REAÇÕES ADVERSAS: ardência localizada na área da aplicação, prurido, eritema, parestesias e ressecamento da área da aplicação.

    PRINCIPAIS PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS: deve ser usado com precaução em pacientes que possuem insuficiência renal moderada ou grave.

    CONTRAINDICAÇÃO: pacientes com história de hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da formulação.

    INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: não foram relatadas interações medicamentosas.

    Informações de segurança de Clavulin:

    REAÇÕES ADVERSAS: Comuns: candidíase mucocutânea, náusea, vômitos, diarreia. Incomuns: rash cutâneo.
    Muito Raras: reações alérgicas graves, colite associada a antibiótico, hepatite e icterícia colestática.

    ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: atenção aos casos prévios de hipersensibilidade às penicilinas e cefalosporinas.
    O uso prolongado também pode, ocasionalmente, resultar em supercrescimento de micro-organismos não sensíveis.

    INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: como ocorre com outros antibióticos, Clavulin pode afetar a flora intestinal, levando à menor reabsorção de estrógenos, e assim reduzir a eficácia dos contraceptivos orais combinados.

    CONTRAINDICAÇÕES: Clavulin é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a betalactâmicos, como penicilinas e cefalosporinas.
     

    Informações de segurança de Amoxil:

    REAÇÕES ADVERSAS:
    Comuns: diarreia e náusea, rash cutâneo. Incomuns: vômito, urticária e prurido. Muito Raras: reações alérgicas graves, colite associada a antibiótico, hepatite e icterícia colestática.

    ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES: atenção aos casos prévios de hipersensibilidade às penicilinas e cefalosporinas. O uso prolongado também pode, ocasionalmente, resultar em supercrescimento de micro-organismos não sensíveis.

    INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: como ocorre com outros antibióticos, Amoxil pode afetar a flora intestinal, levando à menor reabsorção de estrógenos, e assim reduzir a eficácia dos contraceptivos orais combinados.

    CONTRAINDICAÇÕES: Amoxil é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a betalactâmicos, como penicilinas e cefalosporinas.

                   

  • Referências

    1. Kelly, HW. Establishing a therapeutic index for the inhaled corticosteroids: Part 1. Pharmcokinetic/pharmacodynamic comparison of the inhaled corticosteroids. J Allergy Clin Immunol; 102(4, Pt2): S36-51; 1998.

    2. Daley-Yates PT. Inhaled corticosteroids: potency, dose equivalence and therapeutic index. Br J Clin Pharmacol. 2015;80(3):372–380.

    3. Chetta A, et al. Chest 1997;11;852-57. Flixotide.

    4. Hoekx JC. Fluticasone propionate compared with budesonide: a double-blind trial in asthmatic children using powder devices at a dosage of 400 microg x day(-1). The European respiratory journal;1996;9;2263-72, (KC).

    5. Ferguson AC. Efficacy and safety of high-dose inhaled steroids in children with asthma: a comparison of fluticasone propionate with budesonide. The Journal of pediatrics;1999;134;422-7.

    6. PILTCHER, OB et al. How to avoid the inappropriate uso of antibiotics in upper respiratory tract infections? A position statement from an expert panel. Braz. J. Otorhinolaryngol. 84(3): 265-279. 2018.

    7. GILBERT dN, et al. (eds). Sanford guide to antimicrobial therapy 2018. 48th edition. Sperryvile, va, usa; antimicrobial therapy, inc,2018;

    8. Shulman ST, et al. Clin infect dis 2012; 55 (10): e 86-102.

    9. Lieberthal A, Carroll AE, Chonmaitree T, et al. Clinical practice guideline. The diagnosis and management of acute otitis media. Pediatrics 2013;131(3):e964–e999.

    10. Scott LJ, Ormrod D, Goa KL. Cefuroxime axetil: An updated review of its use in the management of bacterial infections. Drugs 2001;61(10):1455–1500.

    11. Scholz H. Streptococcal-A tonsillopharyngitis: a 5-day course of cefuroxime axetil versus a 10-day course of penicillin V. results depending on the children’s age. Chemotherapy 2004;50(1):51–54.

    12. Korting HC. Scholmann C. Guidelines of care for the management of atopic dermatitis: section 2. Management and treatment of atopic dermatitis with topical. Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology; 2012:26;133-140.

    13. Eichenfield LF, Sáenz, AB. Safety and Efficacy of Clindamycin Phosphate 1.2%-Benzoyl Peroxide 3% Fixed-Do Combination Gel for the Treatment of Vulgaris: A Phase 3, Multicenter, Randomized, Double-Blind, Active and vehicle-controlled study. Journal of drugs in dermatology; 2011;10;1382-1396.

    14. Flutivate (propionato de fluticasona). Bula do produto.

    15. Johnson M. Development of fluticasone propionate and comparison with other inhaled corticosteroids. J Allergy Clin immunol. 1998;101(4 Pt 2):S434-S439.

    16. Johnson M. Fluticasone Propionate: Safety Profile. Cutis. 1996;57(2S).10-12.

    17. Korting HC, Schollmann C. Development of fluticasone propionate and comparison with other inhaled corticosterods. Eur Acad Dermatol Venereol. 2012;26(2):133-140.

    18. Hanifin J et al. Intermittent dosing of fluticasone propionate cream for reducing the risk of relapse in atopic dermatitis patients. Br J Dermatol. 2002;147(3):528-537.

    19. Liu L, Ong G. A randomized, open-label study to evoluate an intermittent dosing regimen of fluticasone propionate 0.05% cream in combination with regular emollient skin care in reducing the risk of relapse in pediatric patients with stabilized atopic dermatitis. J Dermatol Treat. 2017;22.1-9.

    20. Furoato de mometasona. Bula do produto.

    21. Aceponato de metilprednisolona. Bula do produto.

    22. Kirkup, ME. et al. Acute and maintenance treatment of atopic dermatitis in chIldren - two comparative studies with fluticasone propionate (0.05%) cream. Journal of Dermatological Treatment (2003) 14, 141-148.

    23. ROEDER, A. et al. Safety and efficacy of fluticasone propionate in the topical treatment of skin diseases. Skin Pharmacol Physiol, 18:3-11, 2005.

    24. Korting HC and Schollmann C. Topical fluticasone propionate: and maintenance treatment options of atopic dermatitis based on a high therapeutic index. Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology. 2012;26;133-140.

    25. Stevens DL et al. Practice Guidelines for the Diagnosis and Management of Skin and Soft Tissue Infections: 2014 Update by the Infectious Diseases Society of America. Clin Infect Dis. 2014;59(2):147-159.

    26. Bactroban pomada (mupirocina). Bula do produto.

    27. Gílbert M. et al. Topical 2% mupirocin versus 2% fusidic acid ointment in the treatment of primary and secondory skin infections. J Am Acod Dermatal. 1989;20;1083-7.

    28. Ha KR et al. In Vitro Activity of Mupirocin on Clinical Isolates of Stophylococcus aureus and its Pontential Implications in Chronic Rhinosinusitis. Laryngoscope, 2008;118:535.40.

    29. Albayaty YN et al. Penetration of topicalty used antimicrabials through Staphylococcus aureus biofilms. A comparafive study using different models. J Drug Del Sci & Tech. 2018;48.429-436.

    30. Bactroban Worlwide Marketing Authorization Report. Agosto de 2020.

    31. Perth Children's Hospital: Impetigo. March 2018. Available at: https://pch.health.wa.gov.au/For-health-professionals/Emergency-Department-Guidelines/Impetigo (accessed June 2020).

    32. Perth Children's Hospital: Eczema, May 2020. Available at: https://pch.health.wa.gov.au/For-health-professionals/Emeigency-Department-Guidelines/Eczema (accessed July 2020).

    33. The Royal Children's Hospital Melbourne. Cellulitis and skin intections. Available at: https://www.rch.org.au/clinicalguide/guideline_Index/Cellulitis_and_skin_intection/. (accessed June 2020).

    34. Bermejo A et al. Consenso SADI-SAM-SAD-CACCVE. Guia para el manejo racional de las infecciones de piel y partes Blandas - Parte II Consensus SADI-SAM-SAD-CACCV. Guidelines for the rational management skin ond soft-tissue infections - Part I. Rev Panam infectal. 2009;11:47-62.

    35. Información Farmacoteropéutica. INFAC - Manejo De Lass Infecciones Cutaneas Bacterianas En El Ambito Ambulatorio Management of Bacterial Cutaneous Infections In the Ambulatory Area. INFAC 2018;26:58-64.

    36. Canejo-Fernández Al et al. Documento de consenso SEIP-AEPAP-SEPEAP sobre la etiologia, el diagnostico y el tratamiento de las infecciones cutáneas bacterianas de manejo ambulatorio. An Pediatr (Barc). 2016;84(2):121. el-10.

    37. MedSask Superficial Bacterial Skin Infections - Guidelines for Prescribing Topical Antibiotics for impetigo and folliculitis, May 2017. Available at: https://medsask.usask.ca/superficial-bactenal-skin-infections---guidelines-for-prescribing-topical-antibiotics-for-impetigo-and-folliculittis.php. (accessed June 2020).

    38. Madhya Pradesh Department of Public Health and Family Welfare: Standard Treatment Guidelines. 2016. Available at: https://mpphscl.In/Files/PDF/79e16f1b-ac2d-4fc3-a103-7e322c245875_0_STG-2016.pdf. (accessed June 2020).

    39. Liu C et al. Clinical practice guidelines by the infectious diseases society at america for the treatment Orient of methicillin-resistant Staphylococcus aureus infections in adults and children: executive summary. Clin Infect Dis. 2011;52:285-292.

    40. National Institute for Health and Care Excellence (NICE). Clinical guideline Impetigo: antimicrobial prescribing, February 2020. Available at: https://twww.nice.org.uk/guidance/ng153. (accessed July 2020).

    41. National Institute for Health and Care Excellence (NICE). CKS Atopic eczema. Janeiro de 2018. Disponível em: http//cks.nice.org.uk/eczema-atopic. (acessed em June 2020).

    42. White DG, et al. Topical antibiotics In the treatment of superficial skin infections in general practice - a comparison of mupirocin with sodium fusidate. J infect. 1989;18:221-9.

    43. Torumkuney D, Hammami A, Mezghani Maalej S, et al. Results from the Survey of Antibiotic Resistance (SOAR) 2015–18 in Tunisia, Kenya and Morocco: data based on CLSI, EUCAST (dose-specific) and pharmacokinetic/pharmacodynamic (PK/PD) breakpoints. J Antimicrob Chemother 2020; 75(Suppl 1):i2–i18.

    44. Lieberthal AS;Pediatrics;2013;131;e964-e999.

    45. Chow AW;Clinical Infectious Diseases;2012;54;1041-45.

    46. Piltcher OB;Brazilian Journal of Otorhinolaryngology;2018;84;265-279.

    47. Pocket Guidelines;2018;1-466.

    48. World Health Organization Model List of Essential Medicines, 21st List, 2019. Geneva: World Health Organization; 2019.

    49. Amoxicillin + clavulanic acid BD tablets. International Prescribing Information. Version number: GDS26/IPI13.

    50. Lui G, To HKW, Lee N, et al. Adherence to Treatment Guideline Improves Patient Outcomes in a Prospective Cohort of Adults Hospitalized for Community-Acquired Pneumonia. Open Forum Infect Dis. 2020;7(5):ofaa146.

    51. Jouleh B, Erdal M, Eagan TM, et al. Guideline adherence in hospital recruited and population based COPD patients. BMC Pulm Med. 2018;18(1):195.

    52. Myburgh HC, van Zijl WH, Swanepoel D, et al. Otitis Media Diagnosis for Developing Countries Using Tympanic Membrane Image-Analysis. EBioMedicine. 2016;5:156–160.

    53. Chow AW, Benninger MS, Brook I, et al. IDSA clinical practice guideline for acute bacterial rhinosinusitis in children and adults. Clin Infect Dis 2012;54(8):e72–e112.

    54. Norton LE, Lee BR, Harte L, et al. Improving Guideline-Based Streptococcal Pharyngitis Testing: A Quality Improvement Initiative. Pediatrics. 2018;142(1):e20172033.