Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

   

A imunização materna oferece imunidade passiva ao recém-nascido via transferência transplacentária de anticorpos maternos1,2

Os resultados de um estudo de coorte prospectivo e controlado mostraram que bebês nascidos de mães vacinadas contra coqueluche apresentaram títulos mais elevados de anticorpos contra a coqueluche no nascimento e durante os primeiros 2 meses antes de iniciar seu esquema primário de vacinação, em comparação a bebês de mães não vacinadas.3

Entretanto, uma série de fatores  como a integridade placentária, concentração de Imunoglobulina G (IgG) materna, subtipo de IgG e tempo de gestação no momento da vacinação podem influenciar na transferência de anticorpos da mãe para o bebê.4

  • Referências

    1. HEALY, C.M. Pertussis vaccination in pregnancy. Hum VaccinImmunother, 12(8):1972-1981, 2016.

    2. GKENTZI, D. et al. Maternal vaccination against pertussis: a systematic review of the recent literature. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed, 102:F456-F463, 2017.

    3. MAERTENS, K. et al. Pertussis vaccination during pregnancy in Belgium: Results of a prospective controlled cohort study. Vaccine, 34(1):142-150, 2016.

    4. CHU, HY. et al. Maternal Immunization. Clinical Infectious Diseases, 59(4): 560-8, 2014.