Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

 

Teste biológico baseado em expressão genética para Transtorno Depressivo Maior: um estudo avançado

Perfil do Transtorno Depressivo Maior

O Transtorno Depressivo Maior (TDM) é diagnosticado com basena apresentação de sintomas clínicos e, atualmente, não há teste laboratoriais para identificar pacientes com TDM.1 Os painéis emergentes de expressão gênica foram capazes de distinguir pacientes com TDM daqueles pacientes de controles não psiquiátricos, mas atualmente é desconhecida a capacidade de se diferenciar quando estão incluídos aos outros transtornos psiquiátricos.1

Watanabe e colaboradores analisaram os níveis de expressão de RNA de cinco genes (ARHGAP24, HDAC5, PDGFC, PRNP e SLC6A4) em amostras de leucócitos de 17 pacientes com esquizofrenia e 39 pacientes com Transtorno Bipolar.1

Dados de expressão dos participantes

Os dados de expressão foram combinados com dados anteriores disponíveis de 25 pacientes com TDM e 25 controles saudáveis.1 Houve uma diferença significativa na idade média entre os grupos de pacientes: 1

  • TDM = 43 anos
  • Esquizofrenia = 32 anos
  • Transtorno Bipolar = 51 anos
  • Controles = 40 anos.

Alterações semelhantes de expressão foram observadas no TDM, esquizofrenia e Transtorno Bipolar em comparação com controles.1

Houveram diferenças significativas entre os grupos de pacientes para os cinco genes.1 Comparados com controles saudáveis, os seguintes genes apresentaram níveis significativamente diferentes de expressão: 1

  • ↑ Níveis ARHGAP24 e HDAC5 na esquizofrenia e Transtorno Bipolar
  • ↑ Níveis PDGFC e SLC6A4 noTranstorno Depressivo Maior, Transtorno Bipolar e esquizofrenia.

Diferenciando pacientes com TDM daqueles sem TDM

Uma pontuação de discriminação (pontuação D) foi calculada para cada indivíduo, indicando a probabilidade de pertencer ao grupo com TDM (pontuação positiva) ou o grupo "sem TDM", que incluiu aqueles com esquizofrenia, Transtorno Bipolar e controles saudáveis (pontuação negativa).1 Dos pacientes com TDM, 64% (16/25) apresentaram pontuação D positiva, enquanto que em todos os outros pacientes, apenas 35,8% (29/81) tiveram uma pontuação D positiva -TDM.1

Pacientes com TDM foram separados daqueles sem TDM com sensibilidade e especificidade moderadas.1

Os pesquisadores conseguiram distinguir os pacientes com TDM dos com outros transtornos psiquiátricos (incluindo controles saudáveis), com sensibilidade de 64% e especificidade de 67,9% .1

Conclusões

Esses achados demonstram que os pacientes com TDM podem ser diferenciados daqueles sem TDM com sensibilidade e especificidade moderada usando um painel de expressão de cinco genes.Uma pesquisa adicional para identificar os marcadores específicos de TDM será essencial para melhorar o desempenho deste teste biológico.1

  • Referência

    1. WATANABE, SY. et al. Gene expression-based biological test for major depressive disorder: an advanced study. Neuropsychiatr Dis Treat, 13:535–541, 2017.