Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Epidemiologia da Doença Pneumocócica e Impacto da Vacinação no Brasil

A doença pneumocócica é causada por uma bactéria chamada Streptococcus pneumoniae ou pneumococo, que pode causar doenças invasivas ou não invasivas. Algumas pneumonias, a bacteremia e a meningite são consideradas Doenças Pneumocócicas Invasivas (DPI), pois acometem tecidos primariamente estéreis. Otite média, sinusite, bronquite e a pneumonia não bacterêmica, são consideradas Doenças Pneumocócicas Não Invasivas, consideradas mais leves porém de grande impacto econômico e social.1,2

A Doença Pneumocócica Invasiva pode deixar sequelas graves ou até levar o paciente ao óbito. As complicações relacionadas à pneumonia envolvem pericardite, obstrução endobrônquica e abcesso nos pulmões, entre outras. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2016 a pneumonia foi a maior causa de óbitos por doenças infecciosas em crianças abaixo de 5 anos de idade. A bacteremia e a meningite são as formas mais graves da doença pneumocócica. Cerca de 1 em 100 crianças com bacteremia vão a óbito. Já com a meningite, este número é ainda mais impactante, sendo 1 caso de óbito em 15 casos de infecção.1,11

Apesar de existirem formas de prevenção, ainda é possível identificar um número considerável de casos de DPI pelo mundo, sendo predominantemente notificada em algumas faixas etárias, como lactentes

No Brasil, apenas a meningite pneumocócica é de notificação compulsória,sendo 2013 o ano com o maior número de casos notificados, totalizando 1.082reportes. Desde então houve uma queda nos anos seguintes até o ano atual.4

A GSK registrou a vacina pneumocócica conjugada 10-valente em 2009, e,em 2010 foi inserida no calendário público de vacinação pelo Ministério da Saúde.13-15

Após a introdução da vacina no Programa Nacional de Imunizações (PNI), foi possível observar excelentes impactos na saúde da população brasileira, entre eles:

A vacina é recomendada pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), pela Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e pelo Ministério da Saúde. Ela está hoje disponível nos postos de vacinação públicos em um esquema vacinal de 2 doses, idealmente aos 2 e aos 4 meses, seguidas de um reforço aos 12 meses de idade. Essa dose de reforço pode ser administrada nos indivíduos não vacinados até 4 anos, 11 meses e 29 dias de idade.8-10,12

  • 1- CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Pneumococcal disease. Symptoms & Complications. Disponível em: <https://www.cdc.gov/pneumococcal/about/symptoms-complications.html>. Acesso em 15 out. 2018.
    2- FIOCRUZ. Doenças pneumocócicas: informações técnicas. Disponível em: <https://agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7as-pneumoc% C3%B3cicas-informa%C3%A7%C3%B5es-t%C3%A9cnicas>. Acesso em 15 out. 2018.
    3- European Centre for Disease Prevention and Control. Surveillance report – Annual Epidemiological Report for 2015 –Invasive pneumococcal disease. Disponível em: <https://ecdc.europa.eu/sites/portal/files/documents/AER_for_2015-pneumococcal-diseaseinvasive.pdf>. Acesso em 15 out. 2018.
    4- Pesquisa realizada na base de dados DATASUS, utilizando os limites “ANO 1º SINTOMA” para Linha, “REGIÃO DE NOTIFICAÇÃO” para Coluna, “CASOS CONFIRMADOS” para Conteúdo, “2013 a 2017” para Períodos Disponíveis, “MP” para Etiologia e “TODAS AS CATEGORIAS” para os demais itens. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/meninbr.def>. Acesso em 15 out. 2018.
    5- AFONSO, E. et al. Effect of 10-Valent Pneumococcal Vaccine on Pneumonia among Children, Brazil. Emerg Infect Dis. 19(4): 589-597; 2013.
    6- SARTORI, AL. et al. Reduction in all-cause otitis media-related outpatient visits in children after PCV10 introduction in Brazil. PLoS One. 12(6);.2017.
    7- DOMINGUES, CM. et al. Effectiveness of ten-valent pneumococcal conjugate vaccine against invasive pneumococcal disease in Brazil: a matched case-control study. Lancet Respir Med; 2(6):464-71; 2014.
    8- BRASIL. Ministério da Saúde. Calendário nacional de vacinação 2018. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/julho/11/Calendario-de-Vacinacao-2018.pdf>. Acesso em: 15 out. 2018.
    9- SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Calendário de vacinação da SBP 2018. Disponível em: <http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/21273e-DocCient-Calendario_Vacinacao_2018-final2.pdf>. Acesso em: 15 out. 2018.
    10- SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Calendário de vacinação da criança: recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2018/2019 Disponível em: https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-crianca.pdf>. Acesso em: 15 out. 2018.
    11- WORLD HEALTH ORGANIZATION. Levels & Trends in Child Mortality: Report 2017. Disponivel em: <https://www.unicef.org/publications/files/Child_Mortality_Report_2017.pdf>. Acesso em 15 out. 2018.
    12- SYNFLORIX [vacina pneumococica 10-valente (conjugada)]. Bula do produto.
    13- GSK. Nossas Historias: saude para todos. Disponivel em: <http://br.gsk.com/pt-br/nossas-historias/sa%C3%BAde-para-todos/>. Acesso em 15 out. 2018.
    14- BRASIL. Ministerio da Saude. Programa Nacional de Imunizacoes (PNI): 40 anos. Brasilia: Ministerio da Saude, 2013. Disponivel em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_nacional_imunizacoes_pni40.pdf>. Acesso em 15 out. 2018.
    15- BRASIL. ANVISA. Resolucao - RE n. 2.507, de 19 de junho de 2009. Diario Oficial da Uniao 2009; Secao 1, n. 116, Suplemento: 5.
    16- ANDRADE, A.L. et al. Evaluating the impact of PCV-10 on invasive pneumococcal disease in Brazil: A time-series analysis. Hum Vaccin Immunother; 12(2): 285–292; 2016.