Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

   

Imunização materna como parte dos cuidados do pré-natal

Pequenas mudanças em sua prática clínica diária podem ajudar na prevenção da coqueluche

    

Proteção compartilhada através da imunização materna

    

Por que recomendar a imunização materna com a vacina dTpa?

Ao recomendar à gestante a vacinação com dTpa, o recémn-ascido receberá anticorpos contra a coqueluche que podem ajudar a minimizar a morbimortalidade associadas à coqueluche, antes que o seu esquema primário vacinal com as vacinas DTP seja concluído.1-3

Os lactentes só completam seu esquema primário de vacinação contra a coqueluche aos 6 meses de idade, ficando mais vulneráveis durante o período em que não estão completamente protegidos.3,4

Os bebês menores de 2 meses são mais vulneráveis à coqueluche.Esta faixa etária está em maior risco de complicações, incluindo hospitalização, pneumonia, convulsões, encefalopatia e óbito.5

    

Seu papel é fundamental na prevenção da coqueluche em recém-nascidos

Como um profissional de saúde confiável, você desempenha um papel crucial na proteção da saúde de todos os seus pacientes, incluindo gestantes e seus recém-nascidos.6

Estudos demonstraram que as gestantes que receberam uma recomendação de vacina de um profissional de saúde tinham maior probabilidade de serem vacinadas do que aquelas que não receberam uma recomendação. 6,7

Como implementar um protocolo de imunização materna?

A implementação de um protocolo de imunização materna para ajudar na prevenção da coqueluche não precisa ser um processo difícil! Este guia prático divide o processo em 4 etapas simples.8-10*

Também direcionaremos você para outros recursos que criamos, caso precise de mais informações em cada uma das etapas.

    

Incluindo a imunização materna na sua prática clínica diária: Como implementar cada etapa?

    

1 - Crie um protocolo adaptado a sua rotina

Se você trabalha sozinho ou em equipe, o primeiro passo é garantir o acesso a informações atualizadas em torno do conceito de imunização materna e recomendação da vacinação. Se você trabalha com uma equipe, certifique-se de que eles estejam cientes da iniciativa e das razões pelas quais ela é importante. 8-10

Sugerimos que você acesse o site www.imunizacaomaterna.com.br para entender melhor os riscos da coqueluche para recém-nascidos e lactentes e como funciona a imunização materna.

Recursos úteis:

    

2 - Discuta sobre a prevenção da coqueluche com as gestantes na primeira consulta pré-natal

A vacinação com dTpa é recomendada a partir da 20ª semana de gravidez, a cada gestação, pelas Sociedades Médicas e pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). 11,15,16

Para evitar decisões apressadas ou perder a janela ideal para a transferência de anticorpos, idealmente, a conversa sobre coqueluche e imunização materna deve começar na primeira consulta com cada mãe.

Recursos úteis:

Tenha em mente que cada paciente é diferente e você pode ter que personalizar sua abordagem conforme descrito no Guia de Discussão sobre Coqueluche e Imunização Materna7,13

Recursos úteis:

    

3 - Relembrar que o momento da vacinação é importante

Após discussão com a paciente sobre a coqueluche e a importância da imunização materna, não se esqueça de recomendar e prescrever a vacina dTpa para sua paciente. 9

Lembre-se: A vacinação com dTpa é recomendada a partir da 20ª semana de gravidez, a cada gestação. 11,15,16

Recursos úteis:

    

4 - Consulta de acompanhamento

Após recomendação e prescrição da vacina, faça o acompanhamento para ter certeza de que suas pacientes receberam a vacina. 10

   

  • Referências

    1. GKENTZI, D. et al. Maternal vaccination against pertussis: a systematic review of the recent literature. Arch Dis Child Fetal Neonatal, 102(5): F456-F463, 2017.

    2. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Pertussis vaccines: WHO position paper – August 2015. Disponível em: <https://www.who.int/wer/2015/wer9035.pdf?ua=1>. Acesso em: 15 jul. 2019.

    3. THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Update on immunization and pregnancy tetanus diphtheria and pertussis vaccination. Disponível em: <https://www.acog.org/Clinical-Guidance-and-Publications/Committee-Opinions/Committee-on-Obstetric-Practice/Update-on-Immunization-and-Pregnancy-Tetanus-Diphtheria-andPertussis-Vaccination?IsMobileSet=false>. Acesso em: 15 jul. 2019.

    4. CENTERS FOR DISEASE PREVENTION AND CONTROL. Recommended immunization schedule for children and adolescents aged 18 years or younger, United States, 2018. Disponível em: <https://www.cdc.gov/vaccines/schedules/downloads/past/2018-child.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2019.

    5. HONG, J.Y. Update on pertussis and pertussis immunization. Korean J Pediatr, 53(5): 629-633, 2010.

    6. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Department of Health & Human Services. Letter to professionals. 2017. Disponível em: <https://www.cdc.gov/flu/pdf/professionals/pregnant-women-letter_september-2017-2018.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2019.

    7. MUNOZ, F.M. Pertussis vaccine in pregnant women: safety and uptake. Vaccine: Development and Therapy, 6: 1-8, 2016.

    8. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Adult vaccination resourcers. Standards for adult immunization practice. 2016. Disponível em: <https://www.cdc.gov/vaccines/hcp/adults/for-practice/standards/index.html>. Acesso em: 17 jul. 2019.

    9. THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Imuunizations and routine obstetricgynecologic care. Disponível em: <http://immunizationforwomen.org/downloads/Toolkits/Immunization/Imm-Routine-CareGuide-Toolkit-FINAL-5-17-13.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2019.

    10. NATIONAL VACCINE ADVISORY COMMITTEE. Recommendations from the Nacional Vaccine Advisory Committee: standards for adulto immunization practice. Public Health Reports, 129(2): 115-123, 2014.

    11. SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Calendário de vacinação da gestante: recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2019/2020 (atualizado até 28/04/2019). Disponível em: <https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim- gestante.pdf>. Acesso em: 21 maio 2019.

    12. MONIZ, M.H et al. Maternal immunization. Clinical experiences, challenges, and opportunities in vaccine acceptance. Human Vaccines & Immunotherapeutics, 10(9): 2562-2570, 2014.

    13. LEASK, J. et al. Communication with parents about vaccination: a framework for health professionals. BMC Pediatrics, 12(154): 1-11, 2012.

    14. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Healthcare providers/professionals. Screen for contraindications and precautions. 2017. Disponível em: <https://www.cdc.gov/vaccines/hcp/admin/screening.html>. Acesso em: 17 jul. 2019.

    15. BRASIL. Ministério da Saúde. Calendário Nacional de Vacinação. 2019. Disponível em: <http:// portalarquivos2.saude.gov.br/images/jpg/2019/marco/22/Calendario-de-Vacinacao-2019-Atualizado-Site-22-03-19.jpg>. Acesso em: 21 maio 2019.

    16. FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Vacinação da coqueluche para gestantes, 2017. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/250-vacinacao-da-coqueluche-paragestantes>. Acesso em: 21 maio 2019.