Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Asma: Conceito e diagnóstico

A asma é um problema global que acomete cerca de 300 milhões de indivíduos. Estima-se que esta doença cause 346 mil mortes todos os anos em todo o mundo¹. Nos países em desenvolvimento, calcula-se o subdiagnóstico entre adolescentes e adultos jovens em 50%² dos casos. No Brasil, estima-se que há cerca de 20 milhões de asmáticos, se for considerada uma prevalência global de 10%³.

A asma é uma doença heterogênea, geralmente caracterizada por inflamação crônica das vias aéreas. O paciente apresenta sintomas respiratórios como sibilos, dispneia, opressão torácica e tosse, que variam ao longo do tempo e em intensidade e são acompanhados por limitação variável do fluxo expiratório. Essas variações são causadas por fatores como exercícios físicos, exposição a alérgenos ou substâncias irritantes, mudanças no clima ou infecções respiratórias virais2.

A inflamação crônica das vias aéreas na asma envolve células inflamatórias, células brônquicas estruturais e mediadores inflamatórios. Esse processo inflamatório causa contração do músculo liso brônquico, edema da mucosa e hipersecreção, o que resulta em estreitamento brônquico intermitente e reversível. O ciclo contínuo de agressão e reparo na asma pode levar ao remodelamento das vias aéreas, ou seja, à alteração estrutural irreversível3.

O diagnóstico clínico da asma é sugerido por um ou mais sintomas, como dispneia, tosse crônica, sibilância, opressão ou desconforto torácico, sobretudo à noite ou nas primeiras horas da manhã. Já o exame físico do asmático geralmente é inespecífico, pois a presença de sibilos é indicativa de obstrução do fluxo aéreo; contudo, pode não ocorrer em todos os pacientes3.

A confirmação do diagnóstico de asma usualmente é feita por meio da espirometria (Figura 2), a qual fornece duas medidas importantes para o diagnóstico de limitação ao fluxo de ar das vias aéreas: volume expiratório forçado no primeiro segundo VEF1 e capacidade vital forçada (CVF)3.

506910434

Figura 2. Espirometria.

O diagnóstico de limitação ao fluxo de ar é estabelecido pela redução da relação VEF1/CVF, e a intensidade dessa limitação é determinada pela redução percentual do VEF1 em relação ao seu previsto. Já o diagnóstico de asma é confirmado não apenas pela detecção da limitação ao fluxo de ar, mas principalmente pela demonstração de significativa reversibilidade, parcial ou completa, após a inalação do broncodilatador de curta ação. A resposta ao broncodilatador é considerada significativa e indicativa de asma quando o VEF1 aumenta, de acordo com o quadro 1.

Quadro 1. Resposta ao broncodilatador

  • 200mL e 12% de seu valor pré-broncodilatador
     OU
  • 200mL de seu valor pré-broncodilatador e 7% do valor previsto

Adaptado a partir da referência 3

Na asma, a função pulmonar varia entre completamente normal e gravemente obstruída no mesmo paciente. A asma pouco controlada está associada com maior variabilidade da função pulmonar que a bem controlada2

Quando a história clínica é característica, mas a espirometria é normal, o paciente deve ser considerado como tendo asma e pode ser tratado. Em casos de dúvida na interpretação da espirometria, é desejável que o paciente seja encaminhado a um especialista,  para que seja avaliado de forma mais completa3.

 

Referências:

1. GLOBAL INITIATIVE FOR ASTHMA. Global Initiative for Asthma. Global Strategy for Asthma Management and Prevention, 2016, online appendix. Disponível em: http://ginasthma.org/2016-online-appendix-global-strategy-for-asthma-management-and-prevention/. Acesso em: 12 jul. 2016.

2. GLOBAL INITIATIVE FOR ASTHMA. Global Initiative for Asthma. Global Strategy for Asthma Management and Prevention, 2016. Disponível em: http://ginasthma.org/2016-gina-report-global-strategy-for-asthma-management-and-prevention/. Acesso em: 12 jul. 2016.

3. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o manejo da asma. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 38 (suppl 1): S1-S46, 2012. 

4. GLOBAL ASTHMA NETWORK. The Global Asthma Report, 1: 1-94, 2014.