Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

         

Estudo IMPACT: Terapia tripla uma vez ao dia com um único inalador versus terapia dupla em pacientes com DPOC

David A. Lipson, M.D., Frank Barnhart, D.V.M., Noushin Brealey, M.D., Jean Brooks, M.Sc., Gerard J. Criner, M.D.,Nicola C. Day, Ph.D., Mark T. Dransfield, M.D., David M.G. Halpin, M.D., MeiLan K. Han, M.D.,C. Elaine Jones, Ph.D., Sally Kilbride, M.Sc., Peter Lange, M.D., David A. Lomas, M.D., Ph.D.,Fernando J. Martinez, M.D., Dave Singh, M.D., Maggie Tabberer, M.Sc., Robert A. Wise, M.D.e Steven J. Pascoe, M.B., B.S., em nome dos pesquisadores do estudo IMPACT
 

Resumo:

Antecedentes: Os beneficios da terapia tripla na doenca pulmonar obstrutiva cronica (DPOC) com um glicocorticoide inalatorio, um antagonista muscarinico de longa duracao (long-acting muscarinic antagonist, LAMA) e um β2-agonista de longa duracao (long-acting β2-agonist, LABA), em comparacao com a terapia dupla (glicocorticoide inalatorio-LABA ou LAMA-LABA), sao incertos.

Métodos: 
Neste estudo randomizado envolvendo 10.355 pacientes com DPOC, comparamos 52 semanas da combinacao de furoato de fluticasona (um glicocorticoide inalatorio) uma vez ao dia, na dose de 100 μg, umeclidinio (um LAMA) na dose de 62,5 μg e vilanterol (um LABA) na dose de 25 μg (terapia tripla) com furoato de fluticasona/vilanterol (nas doses de 100 μg e 25 μg, respectivamente) e umeclidinio/vilanterol (nas doses de 62,5 μg e 25 μg, respectivamente). Cada regime foi administrado por meio de um unico inalador Ellipta. O desfecho primario foi a taxa anual de exacerbacoes da DPOC moderadas ou graves durante o tratamento.

Resultados:
 A taxa das exacerbacoes moderadas ou graves no grupo da terapia tripla foi de 0,91 por ano, comparada com 1,07 por ano do grupo de furoato de fluticasona/vilanterol (razao de taxas com a terapia tripla: 0,85; intervalo de confianca [IC] de 95%: de 0,80 a 0,90; diferenca de 15%; P < 0,001) e 1,21 por ano no grupo do umeclidinio/vilanterol (razao de taxas com a terapia tripla: 0,75; IC de 95%: de 0,70 a 0,81; diferenca de 25%; P < 0,001). A taxa anual das exacerbacoes graves que resultaram em hospitalizacao no grupo de terapia tripla foi de 0,13, comparada com 0,19 no grupo do umeclidinio/vilanterol (razao de taxas: 0,66, IC de 95%: de 0,56 a 0,78; diferenca de 34%; P < 0,001). A incidencia de pneumonia nos grupos do glicocorticoide inalatorio foi mais alta que na do grupo de umeclidinio/vilanterol, e o risco de pneumonia diagnosticada pelo medico foi significativamente mais alto com a terapia tripla do que com umeclidinio/vilanterol, conforme avaliado em analise de tempo ate o primeiro evento (taxa de risco: 1,53; IC de 95%: de 1,22 a 1,92; P < 0,001).

Conclusões: A terapia tripla com furoato de fluticasona, umeclidinio e vilanterol resultou em uma taxa mais baixa de exacerbacoes da DPOC moderadas ou graves que a terapia com furoato de fluticasona/vilanterol ou com umeclidinio/vilanterol nessa populacao. A terapia tripla tambem resultou em uma taxa mais baixa de hospitalizacao devido a DPOC que a terapia com umeclidinio/vilanterol.