Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Depressão mista no transtorno bipolar: taxa de prevalência e correlações clínicas durante o acompanhamento naturalístico na rede bipolar de Stanley

A introdução da especificação “características mistas” nos critérios do Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais (DSM)-5 destacou a crescente importância da apresentação da depressão mista.1 Uma recente publicação feita no American Journal of Psychiatry avaliou a prevalência e correlação da depressão com sintomas hipomaníacos concomitantes em pacientes com transtornos bipolares.1

Entre os anos de 1995 e 2002, pacientes ambulatoriais da Rede Bipolar da Fundação Stanley foram incluídos em um estudo de acompanhamento naturalístico.1 Dados de um total de 14.310 consultas feitas por 907 pacientes ambulatoriais adultos foram incluídos na análise.1

Todos os participantes passaram por uma Entrevista Clínica Estruturada para DSM-IV com o propósito de avaliação diagnóstica. Eles também foram avaliados para sintomas de mania e depressão em cada visita (que ocorreram, em média, uma vez por mês), utilizando a Escala de Classificação de Mania em Jovens (YMRS) e o Inventário de Sintomatologia Depressiva – Versão de Classificação pelo Médico (IDS-C).1 Os participantes foram classificados utilizando as seguintes definições:1

- Depressão = pontuação de IDS-C ≥15 e pontuação YMRS <12

- Hipomania ou mania = pontuação de YMRS ≥12

- Sem depressão = pontuação de IDS-C <15 e pontuação de YMRS <12.

A depressão ainda foi classificada como pura (pontuação de IDS-C ≥15, pontuação de YMRS ≤2) ou mista (pontuação de IDS-C ≥15, pontuação de YMRS >2 e <12).1

Características dos participantes

Dentre os 907 pacientes ambulatoriais recrutados, 55,8% eram do sexo feminino (506 participantes), com uma idade média de 41,2 anos (desvio padrão = 11,6).1 Os pacientes incluídos no estudo atenderam aos critérios de diagnóstico do DSM-IV para as seguintes condições:1

- Transtorno bipolar I (680 pacientes)

- Transtorno bipolar II (187 pacientes)

- Transtorno bipolar não especificado de outra forma (18 pacientes)

- Transtorno bipolar do tipo esquizoafetivo (22 pacientes).

Dentre os 907 pacientes ambulatoriais, 85,1% (n=772) tiveram pelo menos uma visita com depressão.1 Desses 772 pacientes, 584 (75,6%) apresentaram depressão mista em uma ou mais visitas.1

Sintomas hipomaníacos com depressão foram comuns em pacientes com transtorno bipolar, particularmente mulheres.1

Millar e colaboradores observaram que mulheres foram significativamente mais propensas a apresentar hipomania e depressão concomitantes (40,7%), em comparação aos homens (34,4%; p=0,004).1
    
Os pacientes foram significativamente mais propensos a exibir uma apresentação sintomática se tivessem depressão mista em uma visita, em comparação aos pacientes sem depressão mista (p<0,001).1

A depressão mista depende dos critérios de definição

Os critérios diagnósticos de DSM-5 para depressão com características mistas pode apresentar sensibilidade inadequada para detectar pacientes com depressão mista.1 Quando comparados aos critérios de DSM-IV nessa população de participantes, foram observadas menores taxas de depressão mista (6,3% e 10,8% das visitas).1 Os pesquisadores sugerem que relaxar os critérios de diagnóstico de depressão mista para dois sintomas, ao invés de três, pode aumentar a sensibilidade da identificação dos pacientes afetados.1

Relatório em: Depressão mista no transtorno bipolar: taxa de prevalência e correlações clínicas durante o acompanhamento naturalístico na rede bipolar de Stanley. Miller S, Suppes T, Mintz J, Hellemann G, Frye MA, McElroy SL, Nolen WA, Kupka R, Leverich GS, Grunze H, Altshuler LL, Keck PE, Post RM. Am J Psychiat 2016; 173(10): 1015–1023.

Lista de referências

1. MILLER, S. et al. Mixed depression in bipolar disorder: prevalence rate and clinical correlates during naturalistic follow-up in the Stanley bipolar network. Am J Psychiat, 173(10):1015–1023, 2016.