Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Farmacoterapia e psicoterapia no tratamento de TDM

Uma meta-análise e revisão crítica da farmacoterapia e psicoterapia sequencial no tratamento do Transtorno Depressivo Maior.

O modelo sequencial mais comumente aplicado no tratamento do Transtorno Depressivo Maior (TDM) consiste da farmacoterapia na fase aguda, seguida pela psicoterapia na fase residual.1 Os autores desse estudo conduziram uma meta-análise para investigar a eficácia do modelo sequencial na redução do risco de recidiva em pacientes com TDM.1

Seleção do estudo e meta-análise

Os autores identificaram 13 artigos para inclusão na meta-análise. Os trabalhos relataram as taxas de recorrência e/ou recidiva para um total de 1410 pacientes, dos quais 728 pacientes estavam no grupo de tratamento sequencial e 682 estavam no grupo controle.1

Cada estudo investigado na meta-análise envolveu a terapia cognitivo-comportamental (TCC). O tratamento sequencial foi comparado com os seguintes grupos controles:

1. Farmacoterapia consistindo de medicamento antidepressivo e gerenciamento clínico em 3 estudos (ex. monitoramento da administração da medicação, revisão do estado clínico e suporte ou orientação limitados)
2. Tratamento normal em 6 estudos (ex. padrão de cuidado do médico da família, sem restrição na farmacoterapia)
3. Educação psicológica e tratamento normal em 1 estudo
4. Apenas gerenciamento clínico em 3 estudos (ex. monitoramento da administração da medicação, revisão do estado clínico e suporte ou orientação limitados).

Os pacientes tinham uma idade média de 45 anos (desvio padrão 2,60) e 68,5% eram mulheres (intervalo de 49,5%-81,0%), com remissão parcial ou completa do TDM após o tratamento com farmacoterapia na fase aguda.1

Integração sequencial da psicoterapia e farmacoterapia

Essa meta-análise observou que a psicoterapia sequencial isolada ou com antidepressivos mostrou um avanço relativo na prevenção da recidiva/recorrência quando comparada com os controles ativos e não ativos.

A meta-análise de regressão desses estudos sugeriu que não houve vantagem com a continuação da medicação durante a psicoterapia.1

A psicoterapia sequencial com ou sem antidepressivos reduz a recidiva/recorrência de TDM.

Os autores analisaram a continuação dos antidepressivos durante a psicoterapia versus a redução e descontinuação dos antidepressivos. Essa análise revelou uma vantagem significativa para a redução das taxas de recidiva/recorrência em pacientes recebendo psicoterapia juntamente com a continuação do tratamento com antidepressivos.1

Uso sequencial de psicoterapia após a descontinuação dos antidepressivos

Os autores observaram que os pacientes recebendo psicoterapia após a descontinuação dos medicamentos antidepressivos foram significativamente menos propensos a apresentar recidiva/recorrência, comparado aos pacientes recebendo controle ativo (continuação dos antidepressivos) ou não ativo (gerenciamento clínico).1

O uso sequencial da psicoterapia após a descontinuação da farmacoterapia reduz a recidiva/recorrência de TDM.

Limitações e conclusões do estudo

Os autores dessa meta-análise sugerem que esses resultados devem ser interpretados com cautela devido à evidência de viés de publicação em alguns estudos investigados, além de uma variação no tamanho das amostras, duração do tratamento e duração do acompanhamento nos estudos analisados.1

Entretanto, os autores sugerem que, apesar dessas limitações, a recidiva e recorrência de TDM podem ser prevenidas pela administração sequencial de farmacoterapia na fase aguda seguida por psicoterapia (com ou sem antidepressivos concomitantes).1
 

Uma integração sequencial de TCC e farmacoterapia oferece uma abordagem viável para prevenir a recidiva em pacientes com TDM.1
 

Esse estudo oferece uma revisão crítica da atual aplicação e integração da farmacoterapia e psicoterapia no tratamento do TDM, indicando que a integração da farmacoterapia e TCC pode ser uma estratégia eficaz para a prevenção da recidiva.1

Lista de referências

1. GUIDI, J. et al. The sequential integration of pharmacotherapy and psychotherapy in the treatment of major depressive disorder: a meta-analysis of the sequential model and a critical review of the literature. Am J Psychiatry, 173(2):128–137, 2016.