Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

A produtividade do trabalho pode indicar recuperação em pacientes deprimidos

A diminuição da produtividade no trabalho é o maior contribuinte para a carga econômica do Transtorno Depressivo Maior (TDM) e um dos resultados mais comumente estudados em pesquisas com antidepressivos.1 Uma pesquisa limitada avaliou a influência independente do tratamento sobre a produtividade no trabalho e os resultados clínicos de longo prazo de pacientes deprimidos.1

665 participantes com TDM foram incluídos no teste de medicamentos combinados para melhorar a Depressão (CO-MED).1 Todos os participantes empregados (49,8% da coorte) completaram o questionário de produtividade no trabalho e comprometimento de atividade para auto-relatório de produtividade.1

As melhorias iniciais da produtividade no trabalho foram associadas a maiores taxas de remissão para pacientes deprimidos.1

Três mudanças distintas da produtividade no trabalho foram identificadas durante as primeiras 6 semanas de tratamento para Depressão:

  • Melhora inicial robusta (24% dos participantes)
  • Alteração mínima (49% dos participantes)
  • Deficiência elevada ou leve redução (27% dos participantes) .1

Jha e colaboradores observaram que os participantes com melhoras robustas na produtividade do trabalho tinham taxas de remissão 3-5 vezes maiores em 3 meses e taxas de remissão de 2 a 5 vezes maiores aos 7 meses.1

Esses achados sugerem que o monitoramento da produtividade do trabalho em pacientes deprimidos que recebem tratamento antidepressivo poderia prever os resultados clínicos de longo prazo.1

  • 1. JHA, MK. et al. Early improvement in work productivity predicts future clinical course in depressed outpatients: findings from the CO-MED trial. Am J Psychiatry,123(12):1196-1204, 2016.