Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

Ajude a proteger seus pacientes dos efeitos potencialmente devastadores da coqueluche com Refortrix 1

Patients

A queda na imunidade relacionada à idade torna os adultos mais velhos suscetíveis à doenças infecciosas, como a coqueluche. 2-4
A coqueluche é uma doença potencialmente grave e altamente contagiosa.
5-11
A incidência de coqueluche é subnotificada e está aumentando em vários países.
12-16
Ao vacinar seus pacientes com mais de 50 anos de idade com Refortrix, você pode ajudar a protegê-los da coqueluche, difteria e tétano.
1

Refortrix pode ajudar a proteger os adultos mais velhos contra a difteria, tétano e coqueluche com uma dose. 16-20

Imagem produto Refortrix

Refortrix é indicada na vacinação de reforço contra difteria, tétano e coqueluche em indivíduos a partir dos quatro anos de idade. 1

* Soroproteção contra difteria e tétano, soropositividade contra antígenos da coqueluche (toxoide pertussis, hemaglutinina filamentosa e pertactina).
† Soroproteção/soropositividade sustentadas por até 10 anos.
‡ Devido à ausência de correlato de proteção contra a coqueluche, a imunogenicidade sustentada contra antígenos da coqueluche por até 10 anos pode não refletir necessariamente a duração da proteção.

PM-BR-BOO-VID-200008 - Agosto/2020

Referências:

  1.  REFORTRIX [vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular)]. Bula da vacina.
  2.  Simon AK, et al. Proc Biol Sci. 2015;282:2014-3085. 
  3.  Steens A, Eriksen HM, Blystad H. BMC Infect Dis. 2014;14:57. 
  4.  Liu BC, et al. Clin Infect Dis. 2012;55(11):1450-1456. 
  5.  World Health Organization (WHO). Pertussis. [acesso em Maio 2020]; Disponível em: http://www.who.int/immunization/diseases/pertussis/en/.
  6.  von König CH, et al. Lancet Infect Dis. 2002;2(12):744-750.
  7.  Riffelmann M, et al. Dtsch Arztebl Int. 2008;105(37):623-628. 
  8.  De Serres G, et al. J Infect Dis. 2000;182(1):174-179. 
  9.  Kilgore PE, et al. Clin Microbiol Rev. 2016;29(3):449-486.
  10.  Biggerstaff M, et al. BMC Infect Dis. 2014;14:480.
  11.  Fine PE. Epidemiol Rev. 1993;15(2):265-302. 
  12.  Masseria C, Krishnarajah G. BMC Infect Dis. 2015;15:534. 
  13. Rønn PF, et al. Epidemiol Infect. 2014;142(4):729-737. 
  14. Stefanoff P, et al. Epidemiol Infect. 2014;142(4):714-723.
  15. Jõgi P, et al. Vaccine. 2015;33(38):4756-4761. 
  16. Huang H, et al. Epidemiol Infect. 2015;143(9):1950-1956.
  17. Turnbull FM, et al. Vaccine. 2000;19(6):628-636. 
  18. Booy R, et al. Vaccine. 2010;29(1):45-50.
  19. Mertsola J, et al. Clin Infect Dis. 2010;51(6):656-662.
  20. Grimprel E, et al. Vaccine. 2005;23(28):3657-3667.