Você está deixando o Portal Médico GSK

Você está prestes a deixar o site da GSK. Ao clicar neste link, você será direcionado a um site que não pertence ou é controlado pela GSK. Portanto, a GSK não é responsável por demais conteúdos presentes neste site.

Continuar

Voltar

A coqueluche é uma doença potencialmente grave e altamente contagiosa 1-5

A coqueluche é uma infecção do trato respiratório, que causa tosse prolongada, sendo potencialmente grave. 1Estudos mostraram que:

  • A tosse persistente da coqueluche em adultos pode durar de 5 a 12 semanas 1-3(Duração média).
  • 10 a 30% dos adultos com tosse persistente por > 7 dias têm coqueluche. 126

A coqueluche é mais contagiosa que a gripe. [5][7] *

O risco de complicações é maior em adultos mais velhos em comparação com adultos mais jovens e adolescentes. 3†‡

Complications

A incidência de casos relatados de coqueluche em adultos nos EUA aumentou ao longo do tempo. 10§

Incidence of pertussis

* Definido por um número médio mais alto de casos secundários gerados por caso infeccioso típico.
† Em adultos ≥50 em comparação com adolescentes e adultos nas seguintes faixas etárias: 12-17, 18-29, 30-39, 40-49 anos.
‡ De acordo com um estudo realizado no Canadá.
§ Os mesmos resultados foram publicados pela primeira vez em Masseria C, Krishnarajah G. 2015. 10
O gráfico foi criado de maneira independente pela GSK a partir dos dados originais. Observe que, como os dados foram coletados apenas durante 9 meses em 2006 neste estudo, um valor anual foi aproximado multiplicando por 12/9.

PM-BR-BOO-VID-200006 - Maio/2020

Referências:

  1. von König CH, et al. Lancet Infect Dis. 2002;2(12):744-750.
  2. Riffelmann M, et al. Dtsch Arztebl Int. 2008;105(37):623-628.
  3. De Serres G, et al. J Infect Dis. 2000;182(1):174-179.
  4. Kilgore PE, et al. Clin Microbiol Rev. 2016;29(3):449-486.
  5. Biggerstaff M, et al. BMC Infect Dis. 2014;14:480.
  6. Guiso N, et al. Med Mal Infect. 2018;48(1):30-36.
  7. Fine PE. Epidemiol Rev. 1993;15(2):265-302.
  8. Liu BC, et al. Clin Infect Dis. 2012;55(11):1450-1456.
  9. Clarke MF, et al. Epidemiol Infect. 2013;141(3):463-471.
  10. Masseria C, Krishnarajah G. BMC Infect Dis. 2015;15:534.